Menu

Retrospectiva 2013

 retrospectiva 2013

Mais uma temporada chega ao fim. 2013 foi um ano incrível para o tênis. Cenas da vida real que entraram de vez pra história de um esporte cheio de tradição e emoção. Então que tal relembrar um pouquinho das vitórias, derrotas, suspensões, retornos, aposentadorias inesperadas, recordes e jejuns finalmente quebrados?

Como tudo começa lá do outro do lado do mundo, vamos direto pra terra do canguru! Novak Djokovic inicia a temporada como campeão do Australian Open, conquistando o quarto título em Melbourne. O sérvio já dá sinais de que a temporada promete e que continua firme e forte no topo do ranking.

Após 7 meses afastado, Rafael Nadal faz um retorno triunfante às quadras. Foi derrotado por Horacio Zeballos em Viña del Mar e na semana seguinte levantou o trofeu no Brasil Open. Um título que abriu a sequência de vitórias em Acapulco, Indian Wells, Barcelona, Madrid, Roma, o oitavo título em Roland Garros, Montreal, Cincinnati e o US Open. O bom retorno de Nadal indicava que o espanhol venceria em Monte Carlo. Mas quem reinou no principado foi Novak Djokovic, ganhando o primeiro título em casa. A briga estava apenas começando...ou melhor, continuando!

Quando o tênis muda de superfície, tudo pode acontecer. A grama de Wimbledon trouxe muitas zebras: Este é facilmente o dia mais louco do tênis que eu já vi. E vivo isso há 60 anos", disse Nick Bollettieri. Mas trouxe também um momento histórico pro esporte. Tudo começou lá atrás. A vitória de Andy Murray em Brisbane já anunciava o que viria pela frente.

Andy disputou a final do Australian Open com Novak Djokovic, ganhou o segundo título em Miami ao vencer David Ferrer, o terceiro título em Queens e aumentou a esperança dos britânicos de ter novamente um campeão em Wimbledon desde Fred Perry em 1930. O sonho, enfim, se realizou com a vitória em sets diretos sobre Djokovic. E assim Murray fez história!

E como esquecer o choro de Sabine Lisicki na final com Marion Bartoli? O mundo se emocionou com a tenista alemã. A francesa então levou o título na grama do All England Club, conquistou o primeiro Grand Slam da carreira, realizou um sonho e, dias depois, anunciou a súbita aposentadoria. Uma notícia que surpreendeu o mundo do tênis. As dores e as lesões foram o motivo de sua retirada: “Meu corpo não aguenta mais”.

Por falar em aposentadoria, outros nomes do esporte também resolveram pendurar as raquetes: James Blake, Nicolas Massu, David Nalbandian. Na WTA, um retorno inesperado pra alegria dos fãs: Martina Hingis, uma das mais talentosas tenistas da história, voltou pro circuito de duplas ao lado de Daniela Hantuchova.

2013, um ano atípico para o maestro Roger Federer. Inúmeras derrotas para fracos adversários logo nas primeiras rodadas. O suiço vence em Halle, mas não mantém a boa performance na grama sagrada do All England Club, a grande esperança da temporada para os fãs, a equipe e o próprio Roger, que até testou uma nova raquete em vão. Há quem diga que a aposentadoria do maior tenista de todos os tempos está próxima. Eu acredito, espero e torço pelo contrário. Apesar de ter sido a maior tristeza dessa temporada, Federer ainda tem muito o que ensinar e encantar.

Igualmente decepcionante foi a temporada de Thomaz Bellucci. As sucessivas lesões e o desempenho ruim fizeram com que o então número 1 do Brasil despencasse no ranking. Em 2013 ficamos sem nenhum brasileiro no Top 100 em simples. Por outro lado, Bruno Soares e Marcelo Melo nos encheram de orgulho e provaram que os Bryan não são invencíveis! Viramos o país das duplas. O brilho nos olhos dos fãs de tênis voltou e sentimos novamente o gostinho de torcer por nossos jogadores em muitas finais de Masters, ATPs e Grand Slams. Melo e Dodig terminaram o ano como a terceira melhor dupla do mundo. Bruno, que entrou pra história como o melhor duplista do Brasil, e Alexander Peya, a dupla número 2, atrás apenas dos gêmeos norteamericanos.

Por falar em tênis brasileiro, a ATP promoveu uma bela homenagem em Nova York, durante o US Open, pra celebrar os 40 anos do ranking da entidade. O ATP Heritage reuniu os 25 tenistas que terminaram uma temporada como número 1 do mundo e, claro, nosso Guga estava lá! Ele também foi homenageado um mês antes, aqui em São Paulo. Eterno ídolo, eterno orgulho do Brasil.

A WTA celebrou os 40 anos da entidade com muitas comemorações mundo afora. Um evento em Londres, durante o torneio de Wimbledon, reuniu todas as jogadoras que já alcançaram o primeiro lugar do ranking. Billie Jean King lutou pela igualdade, venceu e fez história! No circuito não teve pra ninguém: Serena Williams reinou absoluta na quadra dura, no saibro e por pouco também não sambou na grama britânica. Soberania pra inglês ver!

2013 também revelou um pouco do que teremos no circuito nos próximos anos. Novos talentos despontam, outros não tão novos assim começam a se consolidar. Fabio Fognini conquistou dois títulos consecutivos em Stuttgart e Hamburgo. Grigor Dimitrov levantou o primeiro trofeu da promissora carreira e João Sousa ganhou o primeiro título de ATP de Portugal. Jerzy Janowicz e Benoit Paire tiveram destaque na temporada. Estaremos de olho nessa turma em 2014!

Casos de suspensão por doping também não faltaram. O Passaporte Biológico foi implantado em março e o Programa de Tênis Anti Doping ficou ainda mais rigoroso.Victor Troicki se recusou a fazer um exame de urina e foi suspenso pela ITF por 18 meses. Marin Cilic foi pego durante um teste de urina, que constatou grande quantidade da substância niquematida. A suspensão, que seria de 1 ano e 8 meses, foi reduzida e o croata retornou no Masters de Paris. Nuria Llagostera Vives foi suspensa por 2 anos após exames de rotina que comprovaram o uso de metanfetamina.

A gira asiática foi um divisor de águas em 2013. Djokovic faturou tudo, venceu em Pequim e Xangai e está invicto na China há dois anos. Mesmo com tantas vitórias e o ótimo desempenho na gira indoor, o inevitável aconteceu: Djokovic perdeu o posto de número 1 para Nadal durante o torneio em Pequim.

Em Paris foram definidos os 8 melhores jogadores de 2013, que disputariam o ATP Finals: Nadal, Djokovic, Ferrer, Federer, Del Potro, Wawrinka, Berdych e Gasquet. Contrariando todas as expectativas, Marrero e Verdasco venceram os favoritos irmãos Bryan numa final emocionante, com direito a uma linda Homenagem ao avô do Marrero, que faleceu na mesma data dois anos antes. O espanhol prometeu que levantaria o trofeu pelo avô. Promessa cumprida!

Na já esperada final de simples entre Nadal x Djokovic, quem levantou o caneco pela terceira vez foi o sérvio, que chegou à última semana da temporada com um tênis impecável e em ótima forma, com 7 títulos em 2013. Uma final especial para um ano especial na ATP. Dizem até que Nole ganhou praticamente todos os títulos que disputou no fim da temporada desde que ficou noivo de Jelena Ristic. Ele confirma: “Acho que vou me casar logo pra manter essa boa sequência...”.

O tênis perde Brad Drewett, um de seus melhores representantes, presidente executivo e CEO da ATP, que faleceu aos 54 anos, após uma batalha contra uma doença neuromotora. Dedicou toda sua vida ao tênis e visava, antes de qualquer coisa, o crescimento do esporte. Jogadores fizeram uma linda homenagem a ele em Madrid. O trofeu de simples do ATP Finals recebeu o nome de Brad Drewett para eternizar seu legado na história do esporte.

Nadal e Djokovic devem voltar ainda mais motivados e com mais fome de bola. O mesmo que todos querem ver em Roger Federer, que teve uma temporada decepcionante com curtas participações, derrotas inesperadas e apenas uma vitória. Maria Sharapova também vai voltar ao circuito pra esquentar a briga com Serena e Azarenka.

2013 foi um ano especial na história do esporte, mas 2014 promete muito mais, afinal a montanha-russa do tênis não pode parar! E o Tennis Report vai levar muito mais dos bastidores, entrevistas, curiosidades e notícias do esporte até você! Acompanhe agora a retrospectiva com os melhores vídeos do ano do Tennis Report em parceria com a TV Tenista:

 

Feliz ano novo! Muitos games, sets & matches pra você! A gente se vê em 2014!

voltar ao topo