Menu

Melbourne 40 graus

 Polands-Jerry-Janowicz-is-003-2Jerzy Janowicz se refresca no Melbourne Park (Foto: Getty Images)

O que os cangurus, os coalas e as altas temperaturas têm em comum? Todos são marcas registradas do país mais encantador do planeta. Na Austrália as quatro estações são bem definidas e não é novidade que, em pleno verão no hemisfério sul, os termômetros lá ultrapassem facilmente a marca dos 40 graus. E, na primeira semana do primeiro Grand Slam da temporada, Melbourne mais parece um caldeirão. O forte calor aliado à alta umidade do ar tem prejudicado muita gente.

Se para o público que apenas acompanha as partidas já é difícil, imagine para os jogadores que, muitas vezes, chegam a ultrapassar limites físicos sequer imaginados. Resultado: tenistas se arrastando nas quadras até a última gota de suor. Sem falar nas inúmeras desistências logo na rodada inicial do “Happy Slam”, que nesta edição bem que poderia ser chamado de “Heat Slam”.

Só na primeira rodada da chave principal, nove tenistas abandonaram as partidas: Andrey Golubev, Alex Bogomolov Jr, Tommy Haas, John Isner, Radek Stepanek, Julian Reister, Robin Haase, Bernard Tomic, Polona Hercog e Ivan Dodig. Desistências que igualam o recorde registrado no US Open 2011 e em Wimbledon 2013, numa única rodada de um Grand Slam na Era Aberta. Com a temperatura na casa dos 44 graus, a Política de Calor Extremo foi implementada no quarto dia do Australian Open.

A “Extreme Heat Policy” estabelece, entre outras regras, que os tetos da Rod Laver Arena e da Hisense Arena sejam fechados no final dos sets em andamento e assim permaneçam, como aconteceu durante a partida entre Jo-Wilfried Tsonga e Thomaz Bellucci, nesta quinta-feira.

Nas quadras menores que não possuem teto retrátil, todos os jogos são suspensos no final do set e nenhuma partida pode ter início enquanto a Política de Calor estiver em vigência. Os treinos também ficam proibidos até nova ordem.

Nenhum jogo é reiniciado nas quadras externas antes das 17 horas. As regras valem por um período mínimo de uma hora e a Heat Policy é revisada a cada 30 minutos. Há 5 anos a Política de Calor não era implementada no Melbourne Park. A última vez foi quando eu estive lá em 2009 e os termômetros registraram 43 graus. É um calor insano e surreal!

Para os tenistas, encarar as altas e desumanas temperaturas seria apenas uma questão de preparos físico e psicológico? Até que ponto é possível jogar sob tais condições? Quais seriam os limites de calor e umidade toleráveis? Respostas pelas quais os atletas, os treinadores e até nós, meros jornalistas e espectadores, procuramos. Mas nem mesmo a Heat Policy é capaz de responder.

O site oficial do Australian Open disponibiliza, em seu guia, o manual completo com as regras da "Extreme Heat Policy", mas não estabelece limites numéricos suportáveis ao clima do verão australiano:

"Política de Calor Extremo

-Em caso de calor extremo, o árbitro tem o direito de pedir um período de descanso e/ou suspender o jogo a qualquer momento, de acordo com a seguinte política:

-A Extrema Política de Calor do Australian Open será aplicada a critério do árbitro e pode ser alterada a qualquer momento;

-O Árbitro do Torneio, a seu critério, pode suspender o início de quaisquer outras partidas em quadras externas;

-Quaisquer jogos em andamento continuarão até o final do set atual. Ao final do set, o jogo será suspenso;

-Nos jogos em quadras externas (ou com teto aberto), o jogo continuará até a conclusão do set. No final do jogo uma decisão será tomada pelo árbitro para fechar o telhado no restante da partida e os seguintes jogos, onde a EHP ainda estiver em vigor (Rod Laver Arena e Hisense Arena);

-Um teto só será fechado por causa de calor extremo, se a decisão foi tomada pelo árbitro a suspender a conclusão ou início de jogos nas quadras ao ar livre; Quando o EHP for implementado, o Árbitro do Torneio irá suspender a convocação de quaisquer jogos em quadras externas;

-Suplemento: Nos jogos de simples femininos, é permitido um intervalo de 10 minutos entre o segundo e o terceiro sets, quando a temperatura de 30,1 graus for registrada antes da partida pelo coordenador do torneio. Os registros são feitos continuamente durante todo o dia.

-Para os jogos de simples na chave juvenil, é permitida uma pausa de 10 minutos e para a chave de simples em cadeira de rodas é permitido um intervalo de 15 minutos entre o segundo e terceiro sets, que será aplicada a critério do árbitro em um limite pré-determinado, antes da chamada da partida pelo coordenador do torneio. Os registros são feitos continuamente durante todo o dia.

-A pausa não se aplica entre o segundo e o terceiro sets, se o jogo já havia sido suspenso após o primeiro set devido à EHP.

-Durante a suspensão do jogo, o árbitro irá rever as condições e tomar uma decisão se a EHP ainda estiver em vigor. O aviso será dado aos jogadores com pelo menos 30 minutos de antecedência para o recomeço da partida. Anúncios serão feitos através do sistema de endereço público."

meteorologyMapa meteorológico mostra a onda de calor na Austrália

Em entrevista a Justin Gimelstob, o Chefe do Centro Médico do Australian Open, Tim Wood, explica como os jogadores devem treinar, jogar e se recuperar em condições extremas de calor:

Mas ainda resta uma dúvida: mesmo com tanto preparo físico e mental, quantos mais sobreviverão até a final do Australian Open? Façam suas apostas!

Fonte:  www.ausopen.com/en_AU/event_guide/tournament_facts.html
 

Mais nesta categoria: « Feliz Natal 3, 2, 1 ... no ar! »
voltar ao topo